Social Icons

loading...

sexta-feira, 11 de março de 2016

Scan 3D revela o que há embaixo dos vulcões da Terra

Os cientistas usaram os dados sísmicos de 273 terremotos fortes ao longo dos últimos 20 anos para criar um mapa 3D de alta resolução que mostra como plumas de rocha quente se alongam no manto da Terra para formar hotspots vulcânicos como o Havaí e Samoa.

Comparando sua técnica a uma tomografia computadorizada do interior da Terra, os sismólogos da Universidade da Califórnia, nos EUA, dizem que seu novo modelo 3D oferece o primeiro vislumbre preciso nas formações rochosas quentes gigantescas que se encontram debaixo de vulcões.

“Ninguém jamais viu antes esses objetos que são contíguos desde a parte inferior até a parte superior do manto”, disse Scott francês, primeiro autor do estudo, em um comunicado de imprensa.

O manto da Terra é uma camada interior de rocha que se encontra entre o núcleo externo do planeta e sua crosta superficial. O manto tem cerca de 3.000 km de espessura, e a digitalização 3D dos pesquisadores mostra pela primeira vez como estas colunas de rocha super-quente se estendem por toda a maior parte dele.

Essas plumas são enormes também. Em profundidades de cerca de 1.000 km, elas variam entre 600 e 1.000 quilômetros de largura, e são até 5 cinco vezes maiores do que os geofísicos tinham pensado anteriormente.

Elas não chegam a fazer todo o caminho até o topo do manto, no entanto. A 1.000 km de profundidade, elas se espalham como um delta de um rio, com fluxos mais finos que ligam aos vulcões da Terra e geram cadeias de ilhas. É uma coisa boa – se as plumas não se espalhassem, a Terra não seria um lugar muito agradável, com vulcões enormes escancarado centenas de quilômetros de largura.

“Estas colunas são claramente separadas no manto inferior e percorrem todo o caminho até cerca de 1.000 quilômetros abaixo da superfície, mas então elas começam a se diluir na parte superior do manto, serpenteando e desviando”, disse a autora sênior do estudo Barbara Romanowicz.
Talvez ainda mais surpreendentemente, a digitalização 3D indica que as bases das plumas estão ancoradas no manto-núcleo em dois pedaços gigantes de rocha quente, cada um medindo aproximadamente 5.000 km de diâmetro. Acredita-se que essas bolhas, que você pode ver na imagem acima, eram uma só há 250 milhões de anos.

Os resultados, publicados na revista Nature, equivale a 3 milhões de horas de cálculos de dados com base em gravações de ondas sísmicas. O trabalho foi feito por supercomputadores no Centro Nacional de Investigação de Computação Científica, nos EUA, que utiliza a computação paralela para reduzir a carga de trabalho para apenas três semanas. 


Nenhum comentário :

Postar um comentário

...



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Agregadores

Agregador de Links - Madruga Links
Piadas Idiotas - São idiotas mas o faz rir
Seus links em um só lugar!
Betolinks 120x60
oBizuradoAglomerando